terça-feira, setembro 30, 2008

consumatus est

Ordem dos médicos portugueses
um exemplo de "coragem" na defesa dos Direitos de Consciência

A Ordem recusava-se mudar o código deontológico porque "A independência, autonomia e liberdade dos médicos não são negociáveis", dizia o bastonário Pedro Nunes (14.11.2007)

Se afinal o mudaram, introduzindo exactamente os pontos pretendidos pelo Diktat do Governo, pode-se concluir - a partir das palavras do próprio Bastonário - que afinal a Independência, ou a Autonomia ou a Liberdade dos médicos era negociável?

Um exemplo menos, entenda-se!

1 comentário:

zedeportugal disse...

"Desde que se cumpram certas cerimónias ou se respeitem certas fórmulas, consegue-se ser ladrão e escrupulosamente honesto - tudo ao mesmo tempo. A honradez deste homem assenta sobre uma primitiva infâmia. O interesse e a religião, a ganância e o escrúpulo, a honra e o interesse, podem viver na mesma casa, separados por tabiques. Agora é a vez da honra - agora é a vez do dinheiro - agora é a vez da religião. Tudo se acomoda, outras coisas heterogéneas se acomodam ainda. Com um bocado de jeito arranja-se-lhes sempre lugar nas almas bem formadas."
Fonte: Húmus
Autor: Brandão , Raúl