quinta-feira, janeiro 17, 2008

Universidade "la Sapienza" censura discurso do Papa

Manifesto de apoio ao Papa

UNIVERSIDADE LA SAPIENZA, OUTRA VERGONHA PARA ITÁLIA

Os Papas puderam falar em qualquer lugar do mundo (Cuba, Nicarágua, Turquia, etc.). O único lugar onde o Papa não pode falar é na Universidade La Sapienza, uma universidade, que além do mais, foi precisamente fundada por um pontífice.

Isto põe em evidência dois factos muito graves:

1) a incapacidade do governo italiano de garantir o direito de expressão em território italiano a um Chefe de Estado estrangeiro, que é além do mais Bispo de Roma e guia espiritual de um bilião de pessoas. Em compensação, grupos minoritários, conseguem o apoio, inclusivamente de instâncias institucionais, para impedir o que a esmagadora maioria das pessoas espera e deseja;

2) a decadência cultural da universidade italiana, que torna possível que um ateneu como a La Sapienza corra o risco de se tornar numa "descarga" ideológica.
Como cidadãos e como católicos estamos indignados por tudo o que aconteceu e estamos entristecidos por Bento XVI a quem nos sentimos ainda mais ligados, reconhecendo nele o defensor - por força da sua fé - da razão e da liberdade.

(transcrição do blogue por causa d'Ele)

-------------------------------

O papel da sapienza e da honestidade no debate intelectual

17.01.2008, José Manuel Fernandes

Quando se fecham a Bento XVI as portas de uma universidade, impedindo-o de falar, é sinal de que alguns praticam tudo o que no passado criticaram à Igreja. E ainda se orgulham disso...

O tempo dá por vezes razão aos que parecem não a ter mais depressa do que os próprios se atreveriam a esperar. Há uma semana, nas páginas do PÚBLICO, Rui Tavares atacava Vasco Pulido Valente por este ter sugerido, na sua expressão, que "a Igreja é capaz de ter de viver novos tempos de clandestinidade". O que era obviamente ridículo. E impensável.
Nem uma semana passou sobre esse texto e acabamos de assistir não à "passagem à clandestinidade", mas a algo igualmente impensável: em Roma, na sua prestigiosa Universidade, crismada "La Sapienza" (A Sabedoria), um grupo de professores mobilizou um protesto que conseguiu levar o Papa Bento XVI a declinar o convite para falar na sessão inaugural do ano lectivo. Porquê? Porque consideraram que o convite a um dos grandes intelectuais europeus da actualidade - uma qualidade que só por cegueira se pode negar ao antigo cardeal Ratzinger - era "incongruente" com a laicidade da universidade. Ou seja, um cidadão de Roma e do mundo, um bispo que se distinguir como académico, viu serem-lhe barradas as portas do que devia ser um templo da ciência em nome de um princípio sectário e de um preconceito que levou um grupo de cientistas a deturparem o que tinha dito num passado já longínquo. Na sua arrogância consideraram mesmo o homem que manteve uma polémica aberta e elevada com Habermas como sendo "intelectualmente inconsistente".
Ernesto Galli della Loggia, editorialista do Corriere de la Sera, ele mesmo um defensor dos princípios da laicidade, escrevia ontem que o gesto dos professores, poucos mas com responsabilidades, traduzia "uma laicidade oportunista, alimentada por um cientismo patético, arrogante na sua radicalidade cega". Uma laicidade que não hesitou em seguir o mesmo caminho dos islamitas radicais que tresleram o famoso discurso de Ratisbona, deturpando-o e descontextualizando-o, para atacarem Bento XVI. E Giorgio Israel, um professor de História da Matemática que se distanciou dos seus colegas, explicou que estes tinham construído o seu caso a partir de "estilhaços de um discurso" realizado pelo então cardeal Ratzinger em Parma há 18 anos. O processo foi muito semelhante ao de Ratisbona: em vez de notarem que o Papa citava outrem para a seguir marcar as suas distâncias, pegaram nas palavras do autor citado - em Parma o filósofo das ciências Paul K. Feyerabend - para, atribuindo-as a Bento XVI, considerarem que este dava razão à Igreja na sua querela com Galileu. O sentido do discurso de Parma, prosseguia o mesmo Giorgio Israel, era exactamente o contrário da caricatura que esteve na origem do protesto: afirmar que "a fé não cresce a partir do ressentimento e da recusa da modernidade".

Mas que universidade é esta, que cidade é esta, que Europa é esta, que fecha as portas a alguém como Bento XVI, para mais com base numa manipulação? Não é seguramente a que celebra não apenas a tolerância, mas a divergência, a discussão em busca da verdade. E que por isso não aceitou sequer ouvir o que o bispo de Roma lhe tinha para dizer. E que já sabemos o que era, pois o Vaticano já divulgou o discurso.
Como este Papa nos tem habituado, era, é, um grande texto, uma extraordinária aula onde o teólogo e o professor, unidos num só, discorrem sobre o papel da Igreja e o da universidade, que, "na sua liberdade face a qualquer autoridade política e eclesiástica, encontra a sua vocação particular, essencial para a sociedade moderna", a qual necessita de instituições autónomas de interesses ou lealdades particulares, antes dedicadas à "busca da verdade".
Evoluindo entre referências modernas (John Ralls e Habermas) e clássicas (com destaque para o "pouco devoto" Sócrates, que elogia e defende), socorrendo-se de Santo Agostinho e S. Tomas de Aquino, Bento XVI escreveu um texto que, devemos admiti-lo, seria uma afronta para os seus detractores. Por possuir a abertura e a universalidade que são o oposto do seu sectarismo anticlerical. Por defender que "o perigo do mundo ocidental é que o homem, obcecado pela grandeza do seu saber e do seu poder, esqueça o problema da verdade. E isto significa que a razão, no fim do dia, acabará por se vergar às pressões dos interesses e do utilitarismo, perdendo a capacidade de reconhecer a verdade como critério único".
E alcançar a verdade implica questionar - mas não ignorar - as certezas de hoje. E um Papa, na universidade, não vem para "impor a fé de cima, pois esta é antes do mais um dom da liberdade".

No tribunal de "La Sapienza" foi um Papa que quiseram colocar no lugar de Galileu, e foram cientistas que fizaram o papel do acusador de então, o cardeal Roberto Bellarmino, porventura mostrando ainda menos compaixão.
Mas nisso, infelizmente, não andam sozinhos. Já repararam como, entre nós, vai por aí um debate sobre Pacheco Pereira e Vasco Pulido Valente terem chamado "fascista" a Sócrates, o que nenhum deles chamou. Como, de resto, nem o próprio António Barreto chamou, pois o seu raciocínio completo é: "Não sei se Sócrates é fascista. Não me parece, mas, sinceramente, não sei. De qualquer modo, o importante não está aí. O que ele não suporta é a independência dos outros, das pessoas, das organizações, das empresas ou das instituições."
Como é mais sexy discutir o "fascismo", ilude-se o que o próprio autor considera ser "o importante" - o que é mais depressa chicana política do que debate intelectual, perdoe-se esta franqueza, que só pode ser tomada pelo que é: um desafio a recusar o mau exemplo de "La Sapienza".

4 comentários:

Carlos Alberto Videira disse...

durante anos acusaram a Igreja de não voz a quem não professasse a sua fé

hoje querem reduzir a Igreja à clandestinidade. Mas se nem nazis nem comunistas o conseguiram, desta vez não será diferente

joao pereira disse...

veja o filme Zeitgeist e acredite no que quiser. http://www.imdb.com/title/tt1166827/

Neste livro é exposta a fundação da Igreja e os rituais católicos que não são mais do que imitações de eventos relatados por outras religiões milhares de anos antes do nascimento de Jesus. Se tiver coragem veja isso e acredite se quiser.

Orlando disse...

Sobre o Zeitgeist, ver o que escrevi aqui.

Sobre a censura ao Papa, recordo o que disse Napoleão: "Os que temem a derrota, são sempre derrotados".

Charline disse...

Se censuraram, algum motivo tinham! Todo jovem, necessita de um líder, alguém mais sábio, para poder depositar sua confiança, por isso estão numa universidade, para aprender mais, então o único motivo é esse! Eles censuraram a visita do papa, porque sabem que ele é um grande líder, e pode convencer a cabeça de qualquer pessoa que está procurando adquirir mais conhecimentos, no entanto, isso é injusto, porque... Quem criou a Universidade de Sapienza?